Período de seca prejudicou plantios de soja em MS, afirma pesquisador

Os desafios da proteção de plantas no Estado foram abordados no Showtec 2019

São muitos os desafios encontrados pelos produtores rurais para cuidar bem de suas lavouras. Pragas, doenças e plantas daninhas podem afetar a produção, então, monitoramento constante é uma das chaves para o sucesso. Contudo, é preciso ficar de olho no clima e saber lidar com condições adversas. O pesquisador de fitossanidade da Fundação MS, Fernando Grigolli, afirma que o período de seca foi o principal desafio no cuidado com as plantas na última safra.

O assunto foi explanado durante palestra nesta quinta-feira (18), no Showtec 2019, em Maracaju. Por conta do forte período de estiagem, a previsão para a colheita ficou abaixo do esperado. Dados do Siga-MS (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio de Mato Grosso do Sul) mostram que a atual safra de soja no Estado deve chegar a cerca de 9 milhões de toneladas. A previsão inicial era de safra recorde, superior a 10 milhões de toneladas.

Mas, o que fazer para controlar pragas e doenças em condições climáticas adversas? Conforme o pesquisador, o importante é saber o objetivo da aplicação para fazer o ajuste da máquina com o alvo que está na planta. "Além disso, é fundamental entender as variações locais por conta da extensão territorial. O Brasil é muito grande, então é necessário saber o que cada região precisa para fazer um manejo eficiente".

Outro fator essencial quando o assunto é proteção de plantas, é entender que os alvos estão cada vez mais resistentes aos produtos químicos utilizados na agricultura brasileira. Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, entre as principais plantas daninhas, estão o capim amargoso e buva.

O manejo correto e as aplicações sequenciais nos intervalos adequados são fundamentais para evitar problemas durante a safra. "Manejar essas plantas daninhas em período de pós-emergência da soja é muito mais difícil, pois não há muitas opções de herbicidas que sejam seletivos a cultura e isso pode causar efeito negativo".

Grigolli falou, ainda, sobre a mosca branca que, na seca, há aumento de sua população. "Essa praga é rápida e agressiva. Seu controle é feito por estádios de desenvolvimento e os produtos para aplicação são caros", alerta.

Já o percevejo marrom é um velho problema e ainda considerado uma grande ameaça. Novos ingredientes ativos estão chegando no mercado e o controle biológico ajuda no combate. O pesquisador esclarece que, no período reprodutivo, geralmente no florescimento pleno em diante, quando a praga inicia os danos econômicos nas plantas de soja, a população da praga encontra-se distribuída pelas lavouras. Neste momento, o controle deve ser realizado para evitar perdas de quantidade e qualidade dos grãos produzidos.

Sobre o Showtec

O Showtec é uma feira anual onde são apresentados produtos e serviços ligados ao setor agropecuário, lançamentos, inovações tecnológicas, sistemas de produção, palestras técnicas e resultados de pesquisas que contribuem para a sustentabilidade do segmento. A feira é destinada aos produtores e empreendedores rurais, técnicos agrícolas, acadêmicos, entre outros, e leva informações de forma direta e aplicável.

O evento é realizado pela Fundação MS e promovido pelo Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Sistema OCB/MS (Organização das Cooperativas Brasileiras) e Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), contando com patrocínio do Senar/MS (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) e Sicredi. O Showtec conta, ainda, com o apoio da Prefeitura Municipal de Maracaju, Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Semagro, Fundems, Banco do Brasil, Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação (Febrapdp),Embrapa, Safras e Mercado, Rede ILPF, Agrisus, BioSul e Camiseta feita de pet. Como mídia oficial, conta com o Canal do Boi.